quarta-feira, 29 de julho de 2009

Hoje fechei a porta


Hoje fechei a porta gasta e débil das batalhas. Hoje fechei a porta comida pelo tempo.
Hoje fechei a porta. E tudo se iluminou quando passei. E tudo foi de novo uno num só sorriso. Hoje fechei a porta que insistia manter-se aberta.

Hoje fechei a porta. E fiz-me EU de novo!



Hoje fechei a porta...

3 comentários:

BM disse...

Por vezes somos mesmo obrigados a fechar a porta. Só dessa forma podemos renascer, sermos algo de novo, existir num todo ao invés vivermos agarrados ao que já passou, existindo no presente ausente de nós próprios.

Gostei muito do teu blogue! Continua! =)

C. disse...

BM,
Obrigada pela visita e pela força!:)

Há portas que custam a fechar talvez por serem pesadas demais ou somente porque tem as dobradiças quebradas. Em qualquer um dos casos leva tempo... Mas, as portas, essas, continuam a dever e a ter que ser fechadas!

Contudo, viver aprisionados no passado faz com que o presente seja amargo demais para que o possamos saborear convenientemente. Aí, fechar a porta ao passado surge como a única opção.

=)*

virgínia do carmo disse...

Parabéns pela tua escrita... está repleta de emoções que revelam uma alma nobre!
Beijinho